Motoristas de ônibus aderem à greve em BH

Sem reajustes salariais há dois anos motoristas mantém paralisação nesta segunda-feira (22/11).

Por Samara Tibúrcio

A semana na capital mineira começa com a greve dos motoristas do transporte público. Segundo trabalhadores do setor, os ônibus irão parar de circular a partir de 00:00.

A greve ocorre pela falta de reajuste salarial pelo terceiro ano seguido, segundo os profissionais do setor já haviam acontecido quatro tentativas de negociação, mas os empresários não apresentaram nenhuma proposta.

Entre as reivindicações dos motoristas estão o reajuste salarial de 9%, tíquete-alimentação de R$ 800, o pagamento do tíquete no atestado, remoção do banco de horas e o abono salarial de 2019 e 2020. A retirada da limitação do passe livre, manutenção do passe livre para o afastado e melhoria no plano de saúde.

A Justiça do Trabalho determinou que pelo menos 60% da frota de ônibus em Belo Horizonte circule. Já o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH) informou que será mantida a frota mínima de 30%.

Depois que o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH) entrou com um recurso na Justiça o desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto, 1º Vice-Presidente do TRT da 3ª Região estipulou que pelo menos 60% da frota circule e em caso de descumprimento da medida a multa está avaliada em R$ 50 mil.